Captain Lampião's footprints

Captain Lampião's footprints
Sertão de Pernambuco Brazil 2009
PHOTO/TEXT BY RB
ALL RIGHTS RESERVED

INTRODUÇÃO

Quando nos propomos a pesquisar o cangaço, temos a impressão de que o tema já foi dissecado, que tudo já foi dito. Com uma bibliografia extensa, tanto o cangaço, como seu representante maior, Lampião, despertam o interesse dos mais variados segmentos da sociedade, e não só aqui em nosso país, mas também na Alemanha, Bélgica, Estados Unidos, França, entre outros países que não se abstem de pesquisar o binômio Cangaço-Lampião.

Dentro desse amplo universo bibliográfico, percebemos portanto, que a nossa realidade sertaneja se encontra ainda muito longe da veracidade.

Os estudiosos do tema, sem uma preocupação maior com os conceitos atribuídos aos povos dessa região, possuidora de características muito especiais, rotulam Lampião com adjetivos desqualificadores, sem levar em conta o fato dele pertencer a um meio específico, como o Sertão. Um lugar onde secas, ignorância e ausência de justiça era a realidade atroz que se ligava a outros fatores oriundos do período de colonização.

Buscando dá maior autenticidade ao nosso trabalho, fomos ao sertão, para conhecermos de perto a realidade que deram origem ao movimento do cangaço e ao mito que se tornou Lampião.

Para melhor compreensão, pretendemos dar ao nosso trabalho, em enfoque remontando o período do desbravamento do sertão, permeando o universo econômico, político e social, de onde surgirá um tipo humano inerente a região sertaneja: o cangaceiro resultado do complexo cultural nordestino.

Não querendo contestar a historiografia oficial, penetramos naquele mundo "primitivo e retrógrado", tentando encontrar respostas para a saga do cangaço e seu exemplo máximo: Lampião.

Nessa tentativa de elaborar este trabalho de forma original, indo ao sertão, encontramos um estudioso do tema que nos disse: "Até hoje ninguém escreveu um livro sobre Lampião". O que ele quis dizer, é que até hoje, o personagem mais biografado do país, e o pernambucano nordestino mais lembrado de todos os tempos, continua como um enigma esperando ser desvendado.

Seríamos então pretensiosos se pretendêssemos e pudéssemos desvendar tantos mistérios.

Mas queremos dá nossa colaboração, e para tanto, procuramos fundamentar nossos estudo, através da pesquisa oral e de uma rica bibliografia de consulta e apoio teórico.

Partindo dessa premissa esperamos estar contribuindo para ajudar a desvendar os fatos históricos que marcaram a região sertaneja, ligados de forma inerente ao cangaço e Lampião conseqüentemente.

Dentro desse contexto iremos apresentar três capítulos que forneçam informações que leve ao entendimento de uma sociedade e subsociedade, seus costumes, instituições, padrões de comportamento e mudanças que nela se desenvolveram.

Ricardo Ferraz Bastos